Upgrade de Impressoras de Grande Formato

Upgrade de Impressoras de Grande Formato


25/03/2020

Um assunto frequentemente comentado no momento é sobre o Upgrade de Impressoras de grande formato. Da mesma forma, podemos chamar esse procedimento de Retrofit e a Impra resolveu esclarecer essa dúvida aqui no blog.

Primeiramente, conheça os termos utilizados

Antes de mais nada, vamos falar sobre o que é o Upgrade / Retrofit, bem como esclarecer sobre estes dois termos:

O termo “Upgrade”, na tradução livre do inglês para a língua portuguesa significa Atualização.
Este termo é muito utilizado na área de informática. Nesse caso, a atualização pode ser de hardware (memória, placas gráficas ou armazenamento), ou de software, podendo ser a atualização de um sistema operacional mais antigo por um novo, por exemplo.

Por outro lado, o termo “Retrofit” é muito utilizado na área de engenharia. Fazer um Retrofit significa realizar uma repaginação de um equipamento que está obsoleto, que não funciona mais ou que não atende mais as normas de utilização mais modernas. Este termo é utilizado inclusive na engenharia civil e arquitetura.

Logo, se você ouvir falar em Upgrade ou Retrofit de Impressoras de grande formato, você já fica conhecendo os termos e sabe que ambos estão corretos.

Enfim, existe diferença entre Upgrade e Retrofit?

Normalmente no Upgrade, conseguimos manter muitas partes do equipamento.
São trocadas algumas peças com o objetivo de obter uma melhoria de desempenho e de qualidade deste equipamento.

Em contrapartida, o Retrofit é uma repaginação completa, onde troca-se quase todos os itens ou 95% do equipamento para colocá-lo em funcionamento.

A Impra trabalha com o Retrofit e Upgrade de impressoras de grande formato. Existem três kits que utilizamos para realizar estes processos nos equipamentos.

 

Exemplo de Kit Retrofit

Como no exemplo da imagem, temos um kit que utiliza cabeça Epson XP-600. Costumamos dizer que no caso deste kit estamos realizando um Retrofit, pois o kit é completo com todos os itens necessários para montar uma impressora. Podemos citar, por exemplo, fontes de alimentação, servo drive, placa das cabeças, placa mãe, duas cabeças de impressão Epson XP-600, motores, estação de limpeza completa, polias, correias, tubulação,  cabos de dados e energia, tanques de tintas, bombas de tinta, ou seja, um kit completo.

Portanto, consideramos este kit um Retrofit pois aproveitamos apenas a estrutura do equipamento. O equipamento que irá receber o kit é completamente desmontado, retirando todas as peças antigas, reformado a estrutura e remontado com todas as peças novas (do kit). Então como resultado final você terá uma máquina nova.

A outra opção de Retrofit, ou seja, completo, utiliza cabeças Epson DX5 no lugar das cabeças Epson XP-600. Mais abaixo explicamos  sobre as diferenças das cabeças de impressão e qual kit você pode escolher em cada caso para seu equipamento.

Kit Upgrade

Nosso terceiro kit, que é considerado um kit upgrade, utiliza a cabeça Konica Minolta 512i. Esse kit acompanha apenas a placa da cabeça, placa mãe, cabos, tubulação e alguns itens para montagem do equipamento, porém será aproveitando motores, servo drive, correias e outros itens do equipamento original.

Por que realizar o Retrofit ou Upgrade de impressoras de grande formato?

Sob o ponto de vista de produtividade ou qualidade, onde seu equipamento pode ser considerado obsoleto, que já não atende mais a sua demanda de produção ou não atende a sua demanda por qualidade de impressão, definitivamente, fazendo um retrofit ou upgrade, você volta a atender a demanda de qualidade e produção com um ótimo custo beneficio, normalmente muito menor do que adquirir um equipamento novo.

Vantagens:

  • Custo-benefício: Você volta a ter um equipamento atualizado, que atenderá a sua demanda de impressão com uma qualidade superior, tendo um custo menor do que comprando um equipamento novo no mercado atual.
  • Sustentável: É considerado sustentável pois reaproveita recursos, reduzindo consequentemente a produção de lixo eletrônico.
  • Revitalização: Se você possui um equipamento que está parado, pois não possui mais peças para a reposição, você pode realizar o retrofit ou upgrade e colocá-lo novamente em funcionamento proporcionando nova vida útil.

Confira no vídeo abaixo o processo de Retrofit completo de um equipamento DGI, onde desmontamos, reformamos a estrutura e remontamos com peças novas, utilizando Epson XP-600.

Veja como é impressionante o resultado final!

 

Quais são os Upgrades de impressoras de grande porte que a Impra realiza?

Atualmente trabalhamos com o upgrade e retrofit utilizando 3 tipos de cabeça: cabeça Epson XP-600,  cabeça Epson Dx5 e cabeça Konica 512i. Mas qual a diferença?

Cabeça Konica Minolta 512i

Recomendamos a Konica 512i para equipamentos de 3,20m, onde o equipamento terá maior produção e excelente qualidade, porém não terá alta resolução como as cabeças Epson. A vantagem de utilizar essa cabeça é produtividade. Nesse Kit você pode utilizar 4 ou 8 cabeças.

Além disso, já conhecemos a alta durabilidade desse modelo de cabeça, que é considerado industrial e apesar do valor da cada unidade ser muito próximo de uma cabeça Epson, o equipamento terá que utilizar no mínimo 4 unidades elevando o valor do KIT, porém a alta durabilidade desta cabeça compensa o investimento, pois dependendo do modo de impressão, a tinta utilizada e os cuidados com a cabeça, já vimos cabeças com 10 anos imprimindo normalmente.

Portanto, se você precisa de um equipamento de 3,20 com maior produtividade, boa qualidade de impressão e confiável, recomendamos o Kit com cabeça Konica Minolta 512i.

Cabeças Epson DX5 e Epson XP600

Utilizando as cabeças Epson (XP600 ou DX5), a resolução será de 1.440 dpi, ou seja, alta resolução. A diferença entre as estas duas cabeças está na produtividade e na sua durabilidade (vida útil).

Durante a impressão, pode-se perceber uma produtividade um pouco melhor das cabeças Epson DX5, inclusive por ter uma área de impressão maior do que a XP600.

Além disso, a cabeça Epson Dx5 é mais conceituada no mercado, amplamente utilizada em impressoras de grande formato e tem uma vida útil maior segundo o fabricante. Em tempo, conseguimos perceber que a Dx5 dura em média 3 anos.

Essa durabilidade, porém, varia muito de acordo com a tinta utilizada, o modo de produção e os cuidados tanto da operação quanto da manutenção da cabeça de impressão.

Em termos de custo, a média de uma cabeça Epson Dx5 é de R$ 6.000,00. Logo, seguindo a linha de raciocínio da vida útil média de 3 anos, o custo dela seria de R$ 2.000,00 por ano.

Por outro lado, a cabeça Epson XP 600 tem uma vida útil menor que varia entre 1 ano e 1 ano e 6 meses. Mas, em contrapartida, tem um custo muito menor que fica em média R$ 1.500,00 dependendo de onde você comprar.

Conclusão

Sendo assim, a principal diferença entre a DX5 e XP600 está no custo de reposição. Vale levar em consideração o tempo que a DX5 está no mercado e o fato de ser um cabeça conceituada. Você pagará um valor mais alto, porém com maior durabilidade. Mas pode optar pelo custo beneficio da XP600 e a possibilidade de manter seu equipamento sempre com uma cabeça nova.

A escolha é definitiva na hora de decidir qual kit utilizar. Cada cabeça tem sua eletrônica (placa mãe e placa da cabeça) não sendo possível trocar somente a cabeça futuramente.

Nossos Parceiros

Webeats Borssolani Store Planeta Plug Navegando e Aprendendo Desocultando Beleza Mgica Parcamp Impra Emprio Hookah